quarta-feira, 24 de agosto de 2016

ÓTIMO EXEMPLO DE MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA



fonte: Meu Professor de História

Um bom exemplo de como a manipulação midiática do noticiário político começa com muita força pelas manchetes:

1) na primeira manchete, o dinheiro foi "desviado em GO", não se diz por quem, e teria bancado coquetéis na "sede do Executivo"; aparentemente, esse roubo não teve ladrão e o beneficiário foi a "sede do Executivo". O uso da voz passiva, a impessoalização e despartidarização (e despolitização) da notícia fica bastante evidente, o que de certa forma ajuda a ocultar que o dinheiro foi roubado por políticos do PSDB e financiou banquetes promovidos por políticos do PSDB (e não apenas a "sede do Executivo", aliás, comandado em Goiás pelos tucanalhas).

2) Na manchete ao lado, menor, o empresário de propaganda João Santana, que prestava serviços a vários partidos, ao ser denunciado pelo Ministério Público vira "marqueteiro do PT", como se ele fosse filiado ao partido! Só que João Santana não é petista, e além disso já prestou serviços a todos os demais partidos. E para arrebatar, alguém em sã consciência acha que só marketeiros que prestam serviço ao PT ganham dinheiro de caixa 2? Quem é o nascido ontem que ainda não descobriu que o caixa 2 é prática quase generalizada (exceção de alguns pequenos partidos programáticos)?

Agora sugiro um exercício: inverta os papéis. Se o marketeiro da campanha de Aécio fosse denunciado por lavagem de dinheiro, seria chamado de "marqueteiro do PSDB" na manchete? Se o presidente do PT de algum Estado fosse processado por crimes financeiros e administrativos, a sigla partidária e o nome dos réus desapareceria das manchetes? Se fosse um governador do PT o beneficiário indireto, será que mencionariam uma impessoal "sede do Executivo", ou estampariam o nome do indivíduo e o seu partido?


ps: antes que a reaçada comece a choramingar e espernear, isso não é uma defesa do PT, é uma crítica a uma mídia hiperconcentrada e desavergonhadamente manipuladora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário